Home / Biografia dos Santos / Santa Margarete Mary Alacoque

Santa Margarete Mary Alacoque

SMargalacoqueANasceu em 22 de julho de 1647 em L’Hautecourt, Burgundy, França e morreu em Paray-le-Monial em 1690. Canonizada em 1920.

Santa Margarete é quase a antítese de Santa Teresa d’Ávila. Teresa era alegre e Margarete era seca e sem humor. Teresa era extrovertida e Margarete era reservada. Ambas eram visionárias, mas administravam a fé de forma diferente. Isto vem provar, novamente, que a personalidade não é requisito essencial para a santidade.
Margarete era filha de um respeitável notário Claude Alacoque Philiberte Lamyn. Seu pai morreu quando ela tinha oito anos e deixou sua família em precárias condições financeiras assim ela ficaram a mercê dos parentes dominantes. Ela foi para a escola das Clarissa Pobres em Charolles. Ela ficou doente com reumatismo aos 12 e na cama até os 15 anos. A sua irmã havia tomado conta de sua casa e ela e sua mãe eram tratadas com severidade e como serventes. Sua irmã recusou freqüentemente permissão para Margarete freqüentar a igreja. Naquele tempo ela escreveu “todo o meu desejo era encontrar a felicidade e conforto nos Sagrados Sacramentos “.
Aos 20 anos ela foi pressionada a se casar, mas decidiu conservar os votos de virgem feitos anteriormente e entrou para a Ordem da Visitação. Ela foi confirmada com 22 anos e tomou o nome de Maria e entrou no convento em Paray-le-Monial. Em 6 de novembro ela teve uma visão de Jesus na qual ele disse; ” Cuidado com a ferida no meu lado onde você vai fazer seu domicilio, agora e para sempre.”
Ela trabalhou em uma enfermaria e a lenta e mole Margarete sofreu sob o comando da ativa e enfermeira, irmã Catherine Marest.
Em 27 de dezembro de 1673 na festa de São João Evangelista, ela ajoelhou-se ante o Santíssimo Sacramento e teve uma visão na qual o Senhor disse a ela para tomar o lugar que São João ocupava na Ultima Ceia e disse a ela que era Seu Instrumento. Jesus então revelou seu Sagrado Coração como símbolo de Seu amor para a humanidade, dizendo:

“’Meu divino Coração é tão inflamado de amor pela humanidade …que não mais cabe dentro das chamas de caridade e precisa se espalhar para fora por outros meios.”

Em seguida Ele tomou o coração dela e o colocou junto ao Seu e depois o retornou para o peito dela, queimando de amor Divino.
Ela teve mais três visões no ano seguinte, nas quais Ele instruía a ela a devoção que passou a ser conhecida como as “Nove Sextas Feiras” a “Hora Santa” e na última revelação o Senhor pediu uma festa de reparação a ser instituída na “sexta feira após a oitava de Corpus Cristi”.
A sabedoria Divina ainda disse a ela :”Não faça nada sem a aprovação daqueles que a guiam que modo que tendo a obediência, você não será desencaminhada por Satã, o qual não tem nenhum poder sobre aqueles que são obedientes.
Ela contou a sua Superiora Madre de Saumaise acerca das visões e foi tratada com desprezo e foi proibida fazer qualquer outra devoção que tivesse sido pedida a ela pelas visões. Ela ficou doente com esta pressão e a superiora desejando um sinal divino jurou acreditar nas visões se Margarete ficasse curada. Margarete rezou e curou-se e a superiora cumpriu a sua promessa. Entretanto um grupo dentro do convento permaneceu descrente das suas experiências especialmente quando em 1677 ela disse que Jesus havia pedido a ela duas vezes para seu uma vitima voluntária para espiar o seu desempenho falho.
A Madre Superiora ordenou Margarete a relatar as sua experiências com os teólogos e eles a julgaram com certa descrença e ordenaram que ela comesse mais e fizesse menos jejum.
O Beato Claude la Colombiére, um santo e experiente jesuíta, chegou para confessar as irmãs e Margarete reconheceu nele o guia que havia sido prometida a ela na sua visão.
Ele ficou convencido que ela havia experimentado uma a visão genuína e adotou o ensinamento do Sagrado Coração que a visão havia comunicado a ela. Mais tarde ele foi para a Inglaterra. Durante os anos seguintes Margarete experimentou períodos de desespero e ficou muito doente. Em 1681 Claude retornou, mas em 1682 ele veio a falecer. Em 1684 a Madre Melin tornou-se superiora e elegeu Margarete para ser sua assistente, silenciando as aposições. Suas revelações ficaram conhecidas da Comunidade quando elas foram lidas em voz alta no refeitório e no livro do Beato Claude. As suas revelações estavam públicas e ela encorajava a devoção aos Santíssimo Coração de Jesus, especialmente entre as noviças que observavam a festa em 1685. A família de uma noviça expulsa, a acusou de não ser ortodoxa, mas isso passou a toda a casa celebrou a festa naquele ano .

Uma capela foi construída em 1687 em Paray em honra do Sagrado Coração e a devoção se espalhou para outros conventos e por toda a França.

Margarete ficou doente e veio a falecer em 17 de outubro de 1690.

Durante o quarto passo da Extrema Unção quando ela recebia os últimos Sacramentos ela disse:

“Eu não preciso de nada de Deus, apenas me relaxar no Coração de Jesus.”

Ela morreu no dia 17 de outubro, mas a Igreja celebra sua festa no dia 16 de outubro.
São João Eudes e o Beato Claude são chamados os “Santos do Sagrado Coração.”
A paciência e a convicção de Margarete nos julgamentos dentro do convento contribuíram para a sua canonização em 1920.
A devoção ao Sagrado Coração foi oficialmente reconhecida pelo Papa Clemente XIII em 1765, 75 anos após a sua mote. Sua visões e ensinamentos tiveram considerável influencia nos ensinamentos e no devocionário católico, especialmente desde a inauguração da festa do Sagrado Coração de Jesus, no calendário romano, em 1856.
Ela é mostrada na arte litúrgica da Igreja como uma irmã com um coração flamejante nas mãos, ou ajoelhada em frente de Jesus mostrando a ela o Seu coração e ainda como uma freira para a qual Jesus oferece Seu Sagrado Coração.

Fonte: Cade meu Santo

Check Also

Santo Irineus de Lyons

Irineus nasceu em 130 DC na Ásia Menor. De seus escritos restam cinco livros, sendo …