Home / Doutrina / Os sacramentos na Igreja

Os sacramentos na Igreja

sete_sacramentos

Jesus Cristo redimiu o mundo através de sua morte e ressurreição e instituiu a Santa Igreja, seu corpo Místico, para que a salvação por ele conquistada chegue aos homens de todos os tempos e lugares, até que ele volte, na Parusia, para julgar a humanidade.

Ele conferiu autoridade aos Apóstolos(Jo 20,22-23) , e aos seus sucessores que hoje são os Bispos da Igreja Católica através da Sucessão Apostólica a missão de levar a salvação a toda humanidade, através da pregação do Evangelho e celebração dos Sacramentos.

“Dizendo soprou sobre eles e lhe disse: Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhe-ãos perdoados; aqueles aos quais retiverdes ser-lhe-ão retidos.”  Jo 20,22-23;

O Concílio Vaticano II chamou a Igreja de “Sacramento universal da salvação” (LG 4).

Quando a Igreja alcança o homem, é Cristo que nos alcança pois ele é o Cabeça da Igreja; quando a Igreja batiza, é Cristo mesmo que nos batiza; quando o sacerdote redime os pecados do fiéis através do Sacramento da Confissão é o próprio Cristo que perdoa. A Igreja é porta de salvação através dos Sete Sacramentos que ela ministra em nome de Jesus Cristo.

Os sacramentos são os canais por onde flui a salvação de todos os homens, que Cristo conquistou com a Sua Morte e Ressureição.

Todo Sacramento é um sinal visível pois o ser humano é formado de corpo e alma, ele passa do visível ao invisível. Aristóteles dizia que: “Nada há no intelecto que não tenha passado pelos sentidos”. Todo Sacramento não apenas assinala, imagine se estivéssemos perdidos em uma floresta e necessitássemos de um sinal que não nos levaria em lugar algum, não serviria de nada. Logo todo Sacramente é um sinal que não apenas assinala mas que transmite fielmente o que assinala. Assim como a água do Batismo indica a purificação da criança e a realiza.

O Catecismo da Igreja nos ensina muito sobre os Sacramentos.

O que são os sacramentos ?

1131 – Os sacramentos são sinais eficazes da graça, instituídos por Jesus Cristo e confiado à Igreja, por meio dos quais nos é dispensada a vida divina. Os ritos visíveis sob quais os Sacramentos são celebrados significam e realizam as graças próprias de cada sacramento. Produzem fruto naqueles que o recebem com as disposições exigidas.

1123 – Os sacramentos destinam-se à santificação dos homens, à edificação do Corpo de Cristo e ainda ao culto a ser prestado a Deus. Sendo sinais, destinam-se à instrução. Não só supõem a fé, mas por palavras e coisas também a alimentam,a fortalecem e a exprimem. Por esta razão são chamados Sacramentos da fé.

1127 – Celebrado dignamente na fé os Sacramentos conferem a graça que significam. São eficazes porque neles age o próprio Cristo; é ele quem batiza, é ele quem atua em seus sacramentos,a fim de comunicar a graça significada pelo sacramento.

Os sacramentos são necessários para a salvação

1129 – A Igreja afirma que para os crentes os sacramentos da nova aliança são necessários para a salvação. A “graça sacramental” é a graça do Espírito Santo dada por Cristo e peculiar a cada Sacramento. O Espírito cura e transforma os que recebem,conformando-os com o Filho de Deus. O fruto da vida sacramental é o que o Espírito de adoção deifica(2 Pe 1,4) os fiéis unindo-se vitalmente ao Filho único, o salvador.

Os sacramentos são da Igreja e para a Igreja

1118 – Os sacramentos são “da Igreja” no duplo sentido de que existem por meio dela e para ela. São “por meio da Igreja”, pois esta é o Sacramento da ação de Cristo operando em seus seio graças a ação do Espírito Santo. E são “para a Igreja”, pois são esses “Sacramentos que fazem a Igreja”.

1119 – “Formando com Cristo-cabeça como que uma única pessoa mística”(Pio XII, Mystic Corporis), a Igreja age nos Sacramentos como “comunidade sacerdotal”, “organicamente estruturada”(LG 11)

Os sacramentos nos acompanham em toda a vida,a fim de que a vida espiritual não pereça, e sejamos felizes sempre na companhia de Cristo, para que possamos chegar “ao estado de homem perfeito, à medida da estatura da plenitude de Cristo” Ef 4,13;

 

Check Also

A confissão dos pecados

“Se na Igreja não existisse a remissão dos pecados, não existiria nenhuma esperança, nenhuma perspectiva …