Home / Igreja Católica / Creio na Santa Igreja !

Creio na Santa Igreja !

vaticano_200_131

Esta profissão de fé dos Concílios de Nicéia I (325) e Constantinopla I (381) ressoa até hoje entre os fiéis católicos… E sempre a propósito. A Igreja é santa, porque, como diz o Apóstolo, é o Corpo de Cristo prolongado (cf. Cl 1,24); Cristo nela vive e garante a sua indefectibilidade e santidade. Ela é também dita, sob outro aspecto, "a Esposa sem mancha nem ruga, santa e irrepreensível" (Ef 5,27). É incessante a santidade da Igreja, porque é indissolúvel a sua união com Cristo.

Então como entender o pecado na Igreja? Visto que prolonga o mistério da Encamação, a Igreja é revestida de humanidade. Ela consta também de seres humanos frágeis e limitados, sujeitos a falhas, em demanda da plenitude da vida e da perfeição. Daí dizer-se com razão: "Igreja santa de homens pecadores" (Karl Rahner). Podemos até afirmar que a Igreja não existe sem pecadores. Mas Ela não tem pecado. O pecado existe na Igreja, mas não é da Igreja.

Com outras palavras: considerada segundo aquilo que a constitui propriamente, a Igreja não comete pecado, pois é constituída pelo mistério da Encarnação prolongada. 0 pecado se encontra nas criaturas humanas,… criaturas nas quais existem elementos da Igreja e elementos que não são da Igreja; sim, em todo cristão fica algo de pagão ou uma tendência à infidelidade à sua vocação de membro do Corpo de Cristo.

Conseqüentemente, deve-se dizer que as fronteiras da Igreja não passam longe de nós, mas atravessam o coração de cada cristão, na medida em que nele há algo que ainda não foi plenamente cristianizado. Somente a Virgem Maria realizou adequadamente em si a santidade da Igreja; por isto Ela é o tipo perfeito ou a imagem definitiva da Igreja.

Ainda em outros termos: o sujeito do pecado não pode ser a Igreja, pois todo pecado é sempre obra de uma pessoa física individual. Por seus princípios próprios e constitutivos, a Igreja é sem mancha. Quanto aos homens que a Ela pertencem, deve-se dizer: na medida em que são pecadores, não são Igreja, mas estão na Igreja. Os pecados estão fora do programa e do âmago da Igreja; todavia os que cometem o pecado, estão dentro da Igreja. Jacques Maritain distinguia sabiamente entre a Pessoa da Igreja (Corpo Místico de Cristo) e o pessoal da Igreja (que somos nós). Acrescentemos, porém: é a própria Mãe Igreja quem tira do seu tesouro de vida o remédio eficaz para curar as feridas de seus filhos; Ela não precisa de recorrer a outra fonte senão ao próprio Senhor Jesus, que nela vive e continua a sua ação redentora. São estas verdades que a Constituição Lumen Gentium recorda em seu §8: "A Igreja é fortalecida pela força do Senhor Ressuscitado,… para poder revelar ao mundo o mistério dele, embora entre sombras, mas com fidelidade, até que no fim dos tempos seja manifestado em plena luz". 

Que o fiel católico, portanto, ame a Igreja, e a Ela se dedique generosamente, pois "não pode ter Deus por Pai no céu quem não tem a Igreja por Mãe na terra" (S. Cipriano).

Check Also

São Pedro, rocha firme de fé inabalável

No evangelho, com exceção de alguns episódios, os relatos em que Pedro aparece ocupam um …