Home / Blog & Notícias / «Jesus de Nazaré»: História e fé

«Jesus de Nazaré»: História e fé

Especialistas portugueses analisam perspectivas sobre a recente investigação bíblica, presentes no novo livro de Bento XVI

ajesus1Lisboa, 03/11 Mar (Ecclesia) – O novo livro de Bento XVI, «Jesus de Nazaré. Da Entrada em Jerusalém até à Ressurreição», levanta questões sobre a insuficiência da investigação histórica para a compreensão desta figura, partilhadas por dois biblistas portugueses.

Em texto hoje publicado pela Agência ECCLESIA, o padre Joaquim Carreira das Neves, especialista em Sagrada Escritura, sublinha que nos últimos dois últimos séculos “a pessoa de Jesus passou da Igreja para a história”.

“Os quatro Evangelhos são o espelho da concordância interna entre a história e a fé”, refere o professor jubilado da Universidade Católica Portuguesa (UCP), para quem o “problema” surge quando os estudos exegéticos afirmam que a Igreja “colocou na boca de Jesus” determinadas “palavras ou doutrinação catequética”.

“A Igreja não parte do zero, isto é, não inventa um novo Jesus, o da fé ou o da Igreja contra o da história”, sublinha Carreira das Neves.

No prefácio do seu segundo volume sobre «Jesus de Nazaré», Joseph Ratzinger, o actual Papa, escreve que Cristo, “como aparece na corrente principal da exegese crítica a partir dos seus pressupostos hermenêuticos, é demasiado insignificante no seu conteúdo para ter podido exercer tão grande eficácia histórica”.

“Em 200 anos de trabalho exegético, a interpretação histórico-crítica já deu o que de essencial tinha para dar”, acrescenta.

O padre João Lourenço, director do Centro de Estudos de Religiões e Culturas Cardeal Höffner da UCP, afirma, na linha de Bento XVI, que os Evangelhos são “a principal fonte” para o conhecimento de Jesus, mas não são “um livro de ‘história’, antes um testemunho acreditado e vivido acerca do Mestre”.

Para este especialista, “as afirmações de fé acerca de Jesus não podem nem devem ser dissociadas do complexo mundo social, religioso e político do seu tempo”.

“Há que enquadrar, por isso mesmo, o acontecimento Jesus, situando-o face ao mundo judaico que o envolve e do qual dependem os parâmetros da sua doutrina e da sua missão e, da mesma forma, perante o poder romano que o condiciona no contexto das expectativas que foi capaz de gerar à sua volta”, assinala João Lourenço.

A segunda parte de «Jesus de Nazaré» vai ser apresentada no Vaticano, a 10 de Março, em conferência de imprensa, com a presença do cardeal Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos, e de Claudio Magris, escritor e germanista.

Bento XVI afirma não ter querido escrever uma “vida de Jesus”, mas “desenvolver um olhar sobre o Jesus dos Evangelhos e uma escuta dele que pudessem tornar-se um encontro e todavia, na escuta em comunhão com os discípulos de Jesus de todos os tempos, chegar também à certeza da figura verdadeiramente histórica de Jesus”.

O primeiro volume de «Jesus de Nazaré», publicado há quatro anos, era dedicado à vida de Cristo (desde o Baptismo à Transfiguração) e uma terceira parte está a ser escrita por Bento XVI, que vai abordar os chamados «Evangelhos da infância».

Toda a obra começou a ser elaborada nas férias de 2003, antes da eleição de Joseph Ratzinger como Papa.

OC

Check Also

Autoridade vaticana: A teologia da libertação não faz falta para cuidar dos pobres

ROMA, 26 Ago. 13 / 01:30 pm (ACI/EWTN Noticias).- O secretário da Pontifícia Comissão para …