Home / Blog & Notícias / Santo Agostinho: Um Modelo, por Gabriel Viviani

Santo Agostinho: Um Modelo, por Gabriel Viviani

santo_agostinhoPeter Brown escreveu a melhor biografia sobre Santo Agostinho.  A obra se chama Santo Agostinho: Uma Biografia[1]. São mais de 600 páginas onde acompanhamos o relato apaixonante a respeito da existência do autor de Confissões e A Cidade de Deus. Sabe-se que, costumeiramente, os santos são idealizados por narrativas que escondem obscuridades humanas existentes no caráter do protagonista. Tem-se até a impressão de que o sujeito já nasceu canonizado… Claro que biografias assim acabaram inspirando a falsa ideia da santidade como privilégio para escolhidos. Os santos já nascem como predestinados! Mesmo que Peter Brown tivesse o objetivo de escrever sua narrativa guiado por tal conceito, a personalidade do santo sempre se lhe esquivaria. O teólogo das Confissões, o cristão, fruto das lágrimas doridas de Mônica, jamais pretendeu escamotear os caminhos tortuosos daquela sua conversão.

No trabalho de Peter Brown, descobrimos que a sinceridade daquele africano nem sempre foi compreendida por seus contemporâneos. Aquelas Confissões surpreenderam os que não conseguiam admitir a humanidade do cristianismo. Como alguém com tamanhos pecados atrevia-se a falar tão abertamente de suas fraquezas? No clima daquela época, grassavam muitas heresias que concebiam o cristão como um ser puramente espiritual. Pois Agostinho provava o contrário! O cristão visa santificar-se, estar em plena comunhão com Cristo, mas nem por isso deixa de ser humano, de ter suas imperfeições. Santo Agostinho foi visionário neste aspecto, pois entendeu rapidamente que o conceito de Igreja como uma comunidade composta de criaturas indefectíveis não corresponde à realidade.

Fato curioso é que Santo Agostinho, antes de ter-se transformado em sacerdote, e sob a influência do neoplatonismo, sonhava dedicar-se à vida teorética, à contemplação da Verdade.  Os planos de Deus o conduziram a outra existência… Peter Brown nos informa que, quando Agostinho foi ordenado presbítero, chorou. Contudo, seu pranto não sugeria a emoção do homem finalmente atingindo seu objetivo, mas sim a do homem que se via obrigado à ordenação. Santo Agostinho não desejava o sacerdócio e, naquela época, presbíteros eram convocados à força. Daí por diante, Agostinho de Hipona compreendeu que abandonava definitivamente o ideal de vida platônico em detrimento da pregação e do combate às heresias.

Outro aspecto interessante: Santo Agostinho dificialmente seria considerado hoje um tipo politicamente correto. Sua crítica aos hereges e até mesmo às autoridades da Igreja quase sempre eram ácidas. Agostinho não contemporizava: entre defender a verdade e conservar a simpatia alheia, ele sempre escolhia a verdade. Nem que isso lhe custasse muitos desafetos e perseguições. E é evidente que acabava custando. Segundo Peter Brown, a personalidade daquele santo chegava a ser tão combativa que, nas correspondências com o então famoso São Jerônimo[2], o estilo das discussões beirava a aspereza e a petulância. É que os dois santos buscavam a verdade ardorosamente.

O fato recordou-me a polêmica atual a respeito da Campanha da Fraternidade e os comentários que o Pe. Paulo Ricardo teceu sobre o tema proposto (veja os vídeos no tópico abaixo). Sabemos bem que a ecologia, o pensamento revolucionário e o neopaganismo costumam confundir-se, e com isso acontece de o discurso ecológico ser, com frequência, usado como um instrumento de doutrinação política. O tema da Campanha de 2011 é Fraternidade e a Vida no Planeta, e analisando o desenvolvimento desse tema, o Pe. Paulo Ricardo encontra claramente os sinais de neopaganismo. Se você é, além de católico, também ingênuo, fica rapidamente surpreso. Neopaganismo na CNBB?! Pois não se surpreenda. Por mais que muitos se esforcem por negar, a CNBB continua influenciada pela Teologia da Libertação. Um exemplo: na Campanha da Fraternidade de 2008, Escolhe Pois a Vida, o vídeo de divugação dos bispos brasileiros teve, durante cinco minutos, a defesa do aborto. Numa campanha direcionada contra a morte de crianças inocentes, uma representante do movimento abortista defendia o assassinato de fetos! Surpreso? Em 2007, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) apoiou o movimento pela reestatização da empresa Vale. Com ela caminharam ong’s que defendiam o casamento gay e, novamente, o aborto.

O Pe. Alexsander Lopes que não é da Teologia da Libertação, nem progressista, nem tradicionalista, nem de esquerda, nem de direita, e nem de centro[3], incomodou-se com a crítica do Pe. Paulo Ricardo à Campanha da Fraternidade. O texto publicado em sua página pessoal (e retirado logo em seguida) insinua que Pe. Paulo Ricardo está-se voltando contra o Magistério da Igreja. Ora, verdade que a CNBB é composta por bispos que são escolhidos diretamente pelo Sumo Pontífice, mas como se trata de entidade constituída civilmente, não tem qualquer autoridade sobre os católicos. Portanto, as meditações críticas do Pe. Paulo Ricardo, ainda que estejam voltadas contra a Campanhas da Fraternidade, não consistem em ataques à hierarquia do catolicismo.

No seu texto, o Pe. Alexsander Lopes também afirma que o Pe. Paulo Ricardo divide a Igreja no Brasil. Toma o exemplo da campanha presidencial brasileira, quando Pe. Paulo Ricardo atuou fortemente defendendo o voto contrário ao PT (Partido dos Trabalhadores). Por que o Pe. Paulo Ricardo se manifestou naquela ocasião? O PT e sua candidata, Dilma Rousseff, têm conhecidamente o histórico de defender causas como o aborto e a união homossexual. Se bem lembramos, o debate acabou incendiando a internet, e naquele final de campanha, em Roma, o Papa Bento XVI corroborou o posicionamento do Pe. Paulo Ricardo: os bispos e sacerdotes devem orientar católicos a não votar em candidatos e partidos que defendam o aborto e o casamento gay. Como o Pe. Paulo Ricardo estava dividindo a Igreja se suas manifestações baseavam-se fielmente na doutrina da Igreja? Pe. Paulo Ricardo caracteriza-se por ser ortodoxo, e sua argumentação a respeito da recente Campanha da CNBB é igualmente ortodoxa. Pois bem, se você é um católico ortodoxo, você é um católico da unidade.

Que relação tem Santo Agostinho com tais polêmicas? O Pe. Alexsander Lopes e outros sacerdotes e, por que não dizer, oras, até mesmo os bispos brasileiros tirariam grande proveito da leitura de Peter Brown. O teólogo Agostinho, o bispo Agostinho, o sacerdote ressabiado Agostinho mostra claramente ali que ser católico é desejar a verdade com ardor, e defendê-la corajosamente, ainda que isso desagrade os companheiros de fé. Se Santo Agostinho tornou-se Doutor da Igreja, se suas obras de pensamento são consideradas pilares essenciais da fé católica, isso se deve à fidelidade de sua ortodoxia. O bispo de Hipona não buscou alimentar qualquer ambiente conciliatório entre o dogma e sua deturpação. Ao contrário, trabalhou com dificuldade a fim de purificar os conceitos da fé que, naquela época, eram ameaçadas pela confusão das heresias.

Os bispos da CNBB, bem como muitos sacerdotes e leigos fingem não reconhecer a influência da Teologia da Libertação no interior do catolicismo brasileiro. Sabem que a doutrina continua ali, sabem que ela foi atacada vigorosamente por João Paulo II e Bento XVI[4], mas levantar a voz e defender o cristianismo verdadeiro significaria desagradar os colegas.

Não digo que o Pe. Paulo Ricardo seja o novo Santo Agostinho, nem tampouco sei se a Igreja terá outro Santo Agostinho. Sei apenas que, se esse sacerdote leu o livro de Peter Brown, aprendeu direitinho.

_ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _
Fonte: Roma Locuta

Check Also

Autoridade vaticana: A teologia da libertação não faz falta para cuidar dos pobres

ROMA, 26 Ago. 13 / 01:30 pm (ACI/EWTN Noticias).- O secretário da Pontifícia Comissão para …