Batismo Infantil

batismo-infantil-2

Batismo infantil é um rito pelo qual as crianças que ainda não tenham atingido a idade da razão são iniciadas na família de Deus – a Igreja. Pecado original, que destruiu a vida de Deus na alma de nossos primeiros pais, foi herdado por todos os seus descendentes. Batismo Infantil remete os efeitos e manchas do pecado original, enquanto graça santificante é infundida na alma da criança (CIC 1250). Apesar de alguns protestantes praticarem Batismo Infantil, é também rejeitada por sua grande maioria. O rito tem um fundamento bíblico e pode ser rastreada até os tempos apostólicos, embora primeiro mencionado explicitamente no século II.

Para compreender o fundo e as origens do batismo infantil, devemos entender os destinatários originais da Nova Aliança. Durante os primeiros anos, os membros da Igreja eram exclusivamente judaicos. Os judeus praticavam a circuncisão infantil, como manda a Abraão (Gn 17:12), reafirmou na Lei mosaica (Lv 12:03), e demonstrou, a circuncisão de Jesus no seu oitavo dia (Lu 2:21). Sem circuncisão masculina não foi autorizado a participar na vida cultural e religiosa de Israel.

O rito da circuncisão, como a porta de entrada para a antiga aliança, foi substituída na Nova Aliança com o rito do batismo, ambas aplicada a crianças. São Paulo faz esta correlação: “Nele também fostes circuncidados, não por mãos humanas, mas na circuncisão de Cristo, pelo despojamento do corpo carnal. No batismo, fostes sepultados com ele” (Co 2:11-12). O Catecismo nos informa que “este sinal [da circuncisão] que prefigura ‘a circuncisão de Cristo’, que é o Batismo” (CIC  527).

Quando Pedro pregou sob a inspiração do Espírito Santo no dia de Pentecostes, ele estava falando para um público judeu (At 2:5-35).Pedro anunciou, “Convertei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para o perdão dos vossos pecados. E recebereis o dom do Espírito Santo. Pois a promessa é para vós e vossos filhos”. (At 2:38-39) Os judeus teriam contestado se a Nova Aliança não incluísse seus filhos, especialmente desde que foi prometido a eles, a Nova Aliança era para ser uma melhoria sobre o Velho em que foram incluídos.

O Novo Testamento freqüentemente implica que os adultos e as crianças foram incluídos no rito do Batismo. Por exemplo, quando o chefe de uma casa se convertia e era batizado, toda a sua casa também era batizada com ele (At 16:15, 33; 1 Co 1:16). A inferência é claro, especialmente com base na compreensão judaica da família e alianças, que incluem os idosos, os adultos, os servos, e as crianças. Se a prática do batismo infantil tivesse sido ilícita ou proibida, certamente teria sido explicitamente banida, principalmente para conter os judeus da aplicação de Batismo para seus filhos, como fizeram a circuncisão.  Mas não encontramos nenhuma proibição no Novo Testamento nem nos escritos dos Patriarcas, um silêncio que é muito profundo.

Muitos comentaristas vêem uma alusão ao batismo infantil, nas palavras de São Lucas, “Algumas pessoas trouxeram criancinhas para que Jesus as tocasse. Vendo isso, os discípulos começaram a repreendê-las. Jesus, no entanto, as chamou para perto de si, dizendo: “Deixai as crianças virem a mim e não as impeçais, pois a pessoas assim é que pertence o Reino de Deus.“ (Lc 18:15-16) Na Igreja primitiva esta passagem foi entendida como um comando para trazer as crianças até  Cristo para o Batismo. A primeira vez que esta passagem mostra-se em literatura cristã (c. 200), ele é usado em referência ao batismo infantil (Tertuliano, De Baptismo18:5). Embora Tertuliano adota-se um batismo mais tardio, ele reconheceu que o batismo infantil já era a prática universal e não tentava evitar a interpretação de referência deste versículo para batismo infantil. As Constituições Apostólicas (c. 350) ensina que as crianças devem receber o batismo com base nas palavras de Jesus: “Não as impeçais” (VI 15.7)

No meio do segundo século, o Batismo infantil é mencionado não como uma inovação, mas como um rito instituído pelos apóstolos. Em nenhum lugar nós o encontramos como proibido, mas em todos os lugares o encontramos praticado.  Nos primórdios da Igreja, temos Santo Irineu (130-200) que fornece uma testemunha muito cedo para batismo infantil, com base em João 3:5. Irineu escreveu: “Pois Ele [Jesus] veio para salvar a todos através de Si mesmo – tudo, eu digo, que através Dele nasceram de novo a Deus – bebes e crianças, e meninos, e jovens e velhos” (Contra heresias, 2, 22, 4).

Orígenes (185-254) que tinham viajado para as extensões do Império Romano escreveu com confiança: “A Igreja recebeu dos Apóstolos a tradição [costumes] de ministrar o  Batismo mesmo aos bebes. Pois os Apóstolos, a quem foram confiados os segredos dos mistérios divinos, sabiam que há em todos, as manchas do pecado original, que devem ser lavados através da água e do Espírito “(Comentário sobre Romanos 5, 9).

Santo Agostinho confirmou o ensino onipresente da Igreja, quando escreveu: “Este [o batismo infantil], a Igreja sempre teve, sempre manteve, o que ela recebeu da fé dos nossos antepassados; isso, ela guarda perseverantemente até o fim” (Santo Agostinho , Sermão. 11, De Verbo Apost) e “Quem é tão impiedoso  ao desejar excluir as crianças do reino dos céus proibindo-as de ser batizadas e nascidas de novo em Cristo?” (Agostinho, sobre o pecado original 2, 20).

Ao longo da história cristã, apenas alguns poucos se opuseram ao batismo infantil. A oposição reside principalmente naquelas do patrimônio anabatista que teve origem no século XVI e que foram fortemente contestadas pelos reformadores Martinho Lutero e João Calvino, que tanto ensinaram e praticaram o batismo infantil. A oposição dos anabatistas ao batismo de bebês encontra-se principalmente na sua crença – não suportada pela Escritura e sem provas da prática da Igreja primitiva – que um tem que ser maior de idade suficiente para exercer fé pessoal em Cristo e fazer uma confissão pessoal no batismo. Em nenhum lugar isso é ensinado nas Escrituras que somente os adultos podem receber o batismo. Para manter esta visão extrema é estar fora da continuidade do cristianismo histórico.

O Catecismo resume o ensinamento da Igreja: “nascido com uma natureza humana decaída e manchada pelo pecado original, as crianças também têm necessidade do novo nascimento no Batismo….A gratuidade pura da graça da salvação é particularmente manifesta no Batismo das crianças. A Igreja e os pais estariam negando a criança da graça inestimável de tornar-se filho de Deus se não lhe conferissem o Batismo logo após o nascimento” (CIC -1250).

“Os pais trazem seus filhos para as águas do batismo, professando a crença em Cristo, em nome da criança, e prometendo criá-los na fé. Porque o batismo é salvífico, quanto mais cedo a pessoa vem ao batismo, melhor.”

Em que base a Igreja acredita que a fé de uma pessoa pode “ajudar” a outra?  As Escrituras estão cheias de exemplos onde Jesus estende a graça de cura para pessoas com base na fé dos outros.  Por exemplo, Jesus perdoa os pecados do paralítico com base na fé daqueles que o trouxeram.(Mt 9:2; Mc 2:3-5) Jesus cura o servo do centurião baseado na fé do centurião.(Mt 8:5-13) Jesus exorciza espírito impuro da criança baseado na fé do pai.(Mc 9:22-25) No Antigo Testamento, Deus salvou a vida do primeiro filho, durante a Páscoa com base na fé dos pais.(Ex 12:24-28) Devemos nos perguntar: Se Deus está disposto a efetuar a cura física e espiritual para crianças baseado na fé de seus pais, quanto mais ele dará a graça do batismo para as crianças com base na fé de seus pais?” (John Salza, The Biblical Basis for the Catholic Faith, pg. 71)

RAY, Steves. Batismo Infantil. [Traduzido por Ana Paula Livingston – Membro do Apostolado Spiritus Paraclitus]. Disponível em: http://www.catholic-convert.com/resources/writings/steve-rays/

— Arraste o mouse e veja como citar este texto —

Referência Bibliografica:

Citação de Ireneu: Os Patriarcas Ante-Niceno ed. por Alexander Roberts e James Donald e arr. Por Cleveland Coxe, D.D. (GrandRapids, MI: W. B. Eerdmans, 1985), 1:391).

Citação de Orígenes: A Fé dos Patriarcas, William Jurgens, Liturgical Press, 1979, vol. 1, p. 209.

Primeira citação de Agostinho: A Enciclopédia Católica, “Batismo”, Charles Herbermann, ed, Robert Appleton Co., 1907, vol.. 2, p. 270.

Segunda citação de Agostinho: Padres de Nicéia e Pos-Nicéia, série 1, Philip Schaff, ed, Eerdmans, 1980, vol.. 5, p. 244.

Check Also

Jesus recebeu seu próprio Corpo e Sangue?

Amanhã será o aniversário da minha primeira comunhão, um dia que eu me lembro muito …