Você esta aqui : Home » Doutrina » Deus - Uno - Trino » A Trindade, de Agostinho: Consubstancialidade do Pai e do Filho

A Trindade, de Agostinho: Consubstancialidade do Pai e do Filho  

 saint-augustineTrecho do excelente tratado teológico A Trindade, de Agostinho de Hipona (354-430 d.C),  do Livro 1, Capítulo 6. Neste trecho Agostinho prova que Jesus é Deus assim como o Pai, sendo consubstancial (mesma substância) a Ele.

Aqueles que afirmaram que nosso Senhor Jesus Cristo não é Deus, ou que não é verdadeiro Deus, ou que não é um só Deus com o Pai, ou que não é imortal por ser mutável sejam convencidos de seu erro pelo claríssimo testemunho e pela afirmação unânime dos Livros santos, dos quais são estas palavras: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava em Deus, e o Verbo era Deus” (Jo.1.1). Está claro que nós reconhecemos o Verbo de Deus como o Filho único do Pai, do qual se diz depois: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo.1.14), em referência ao nascimento pela sua encarnação, ocorrida no tempo, tendo a Virgem como mãe.

Nessa passagem, o evangelista declara que o Verbo não é somente Deus, mas consubstancial ao Pai, pois, após dizer: “E o Verbo era Deus”, acrescenta: “No princípio, ele estava com Deus. Tudo foi feito por ele e sem ele nada foi feito do que existe” (Jo.1.2-3). Diz “tudo”, de modo a incluir tudo o que foi criado, ou seja, todas as criaturas. Consta aí claramente que não foi criado aquele por quem tudo foi criado. E se não foi criado, não é criatura, e se não é criatura, é consubstancial ao Pai. Toda substância que não é Deus, é criatura, e a que não é criatura, é Deus. E se o Filho não é consubstancial ao Pai, é uma substância criada; e se é uma substância criada, todas as coisas não foram feitas por ele. Ora, está escrito: “Tudo foi feito por ele”; portanto, é consubstancial ao Pai. Assim, não é somente Deus, mas verdadeiro Deus.

Bibliografia: A Trindade, Agostinho de Hipona, Editora Paulus

O termo consubstancialidade é o correspondente ao termo grego homoousios, termo original que designa essa realidade. Este termo provém da junção de homos, que significa “o mesmo”, e ousios, proveniente de ousía, que significa substância ou essência. Assim, o termo tem o sentido de “da mesma substância, com a mesma essência”.  Mendes Silva

  • Twitter
  • Facebook
  • Orkut
  • LinkedIn
  • MySpace
  • del.icio.us
  • Google Bookmarks
  • Reddit
  • Digg
  • Yahoo! Buzz
  • RSS
  • Google Buzz

© 2011 Apostolado Spiritus Paraclitus

  • Twitter
  • Facebook
%d blogueiros gostam disto:
Voltar para o topo