Home / Blog & Notícias / Versão GAY da Santa Ceia. Até quando?

Versão GAY da Santa Ceia. Até quando?

61984_532097890184903_574224321_n_0

O que vemos na imagem é um ataque explicito a nossa fé por parte do movimento gay, os mesmos que tanto lutam por seus direitos e respeito, não sabem respeitar o nosso direito de expressão de culto, e ainda mais, como vemos na imagem, zombar de nossa fé.

Oras, por mais que a Igreja se coloque contra a prática homossexual, Ela não faz chacota, ou despreza, ou muito menos zomba deles, pelo contrário, a Igreja é Mãe, e como toda mãe, ela acolhe os seus filhos, ama a cada um deles e também CORRIGE OS SEUS ERROS.

Uma coisa é preciso deixar bem claro, a Igreja não é contra os homossexuais, ela é contra O ATO HOMOSSEXUAL. O Catecismo diz no paragrafo §2359: “As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes de autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã”, ou seja, a Igreja tem as portas abertas para os homossexuais.

Mais então por que tanto ataque á Igreja de Cristo por parte dos homossexuais?

Infelizmente, a resposta se encontra em uma ditadura/militância como nunca se viu antes. A homossexualidade já ganhou o apoio da mídia e com isso, revelam todo o ódio que tem contra a Igreja (a mesma Igreja de Cristo que, se eles quiserem mudar de vida vivendo a castidade, acolherá a cada um deles). Muitos não admitem isso, pois “viver o que a Igreja pede” para muitos é sinal de tocar no próprio orgulho. Eles não querem viver como Deus nos criou (homem e mulher), mas sim viver (homem/homem, mulher/mulher) rompendo assim a lei natural.

Imagens como essa nos revelam o ódio que cada um dessa militância tem contra a Igreja e ao mesmo tempo o desejo de incutir na sociedade um caráter falso que nem mesmo ele tem.

Como católicos, o que podemos e devemos fazer nessa situação?

Em primeiro lugar: se os homossexuais podem levantar abandeira deles, nós também podemos levantar a nossa, a final, direito é direito.

Em segundo lugar: se eles agem com desrespeito para conosco, devemos, como autênticos cristãos, continuar respeitando a cada um deles, mas isso não significa que apoiamos os seus atos furiosos. Devemos respeitar a pessoa e não a atitude dela.

E em terceiro, devemos e temos que orar e muito pela conversão deles, a final, Deus sabe a hora e a forma de agir.

Check Also

Autoridade vaticana: A teologia da libertação não faz falta para cuidar dos pobres

ROMA, 26 Ago. 13 / 01:30 pm (ACI/EWTN Noticias).- O secretário da Pontifícia Comissão para …