Home / Destaques / A ressurreição de Cristo foi um fato histórico?

A ressurreição de Cristo foi um fato histórico?

004

O anúncio da ressurreição de Cristo é o centro do Evangelho: mas é histórica ou é um mito, ou seria uma invenção dos apóstolos?

1. Em favor da historicidade dos relatos do túmulo vazio é certamente o papel central da mulher – especialmente de Maria Madalena – que de acordo com a lei hebraica daquele tempo não tinha valor como testemunhas.

O judaísmo do tempo de Jesus foi incorporado “machista”. E, de fato, o retrato da mulher que emerge da Bíblia não é muito reconfortante. No livro de Provérbios, por exemplo, enfatiza a sua natureza selvagem, briguento, excêntrico, melancólico. Mas acima de tudo, nas Antiguidades Judaicas, o historiador judeu Josefo escreve que “o testemunho de mulheres não vale a pena e não ouvimos, por causa da leveza e traiçoeiro desse sexo.”
 
Portanto, não é historicamente plausível que os evangelistas, tentando inventar uma lenda aceitável, indicam precisamente as mulheres como testemunhas privilegiadas do túmulo vazio de Jesus e suas primeiras aparições, quando na sociedade judaica do primeiro século, não poderiam ser testemunhas.

É verdade que a lista das primeiras testemunhas da ressurreição contida na primeira carta de São Paulo aos Coríntios, coloca pela primeira vez a aparição de Cristo a Pedro: “Ele apareceu a Cefas, depois aos Doze” (1Cor 15, 5). Esta prioridade é confirmada por Lucas, mas com formulação diferente: “O Senhor ressuscitou e apareceu a Simão” (Lc 24, 34).

E ainda, no mais detalhado relato que temos da descoberta do túmulo vazio é encontrado em João – cujo Evangelho foi escrito mais tarde, no final do primeiro século dC), mesmo apresentando em seus estratos acima das memórias profundas de evangelhos sinóticos – lemos que Maria Madalena foi a primeira a que o Senhor ressuscitado apareceu. Ela, a quem ele expulsado de sete demônios, e que havia se tornada sua discípula, seguindo até a morte no Calvário, é a primeira testemunha da manhã da Páscoa.

Em outro Evangelho, Mateus, Maria Madalena e “a outra Maria” encontraram Jesus enquanto retornavam de terem descoberto o túmulo vazio (Mateus 28:9-10). Nestes dois evangelhos o próprio Senhor Ressuscitado (Jo 20:17, Mt 28,10) e um anjo (Mt 28,7) disse que as duas mulheres (Mateus) ou somente a Maria Madalena (João), que levou a notícia da ressurreição aos discípulos.

2. Os apóstolos anunciaram publicamente a descoberta do túmulo vazio e encontram com o ressuscitado a uma curta distância da morte de Jesus, quando as testemunhas que ainda vivem em Jerusalém poderia ter desmentir-lhes.
 
Outra prova de que as fontes escritas que sobreviveram são confiáveis ​​é que nenhum evangelista, ou outra tradição do Novo Testamento, conta como a ressurreição aconteceu. O que faz é o Evangelho de Pedro, escrito apócrifo – portanto, não incluídos pela Igreja entre seus documentos oficiais – em que é a história mais antiga, conhecida por nós, este argumento foi escrito presumivelmente na Síria, em meados do segundo século. Os primeiros seguidores de Jesus eram em sua maioria pescadores, a mentalidade semita encarna bem, então, eles eram visionários, eles precisavam de provas concretas e não de promessas vazias. E as manifestações de Jesus ressuscitado enfatizam seu caráter de experiências concretas de encontros reais.
 
Dois verbos gregos são usados ​​no Novo Testamento para definir o evento pascal: o primeiro é eghéirein literalmente “acordar” do sono da morte nas mãos de Deus Pai, enquanto o outro verbo esanìstemi, afirmando que se coloca de pé da sepultura, como se fosse da terra ao céu”. Nestes dois verbos há uma dupla descrição da Páscoa, que não é simplesmente redutível a reanimação de um cadáver, como Lázaro ou o filho da viúva de Naim, ou a filha do chefe da sinagoga de Cafarnaum , para que todos possam morrer novamente. Com a ressurreição de Cristo, se quer enfatizar que, desde o reino da morte e de volta à vida: não é por acaso que as aparições enfatizam a comprovação da realidade pessoal do toque do Ressuscitado, fala com seus discípulos e come com eles.

De acordo com o testemunho dos Atos dos Apóstolos, confirmados pelas cartas de São Paulo aos Romanos, Coríntios e aos Gálatas, a igreja primitiva também pregou a ressurreição de Jesus, desde o início, e no momento do primeiro Pentecostes, ou seja, apenas dois meses após a morte de Jesus (Atos 2: 24-36). Isso prova que, pelo curto espaço de tempo disponível, o fato das aparições de Jesus não poderia ser elaborações lendárias, fruto da mensagem da ressurreição de fé. Por outro lado, como poderiam os apóstolos pregarem a ressurreição de Jesus dentre os mortos, se os habitantes de Jerusalém poderiam, a qualquer momento mostrar a presença do cadáver de seu mestre?

O documento mais antigo sobre  Jesus ressuscitado se encontr no capítulo 15 da Primeira Carta aos Coríntios, escrita por Paulo à metade do 50 d. C., portanto, menos de vinte anos após a morte de Jesus. “Pedro”, é citado pelo nome aramaico “Cefas”, que significa “Pedro”, mas também “pedra”, sinal típico do Antigo Testamento para indicar a estabilidade, dom divino. Teólogo italiano e estudioso da Bíblia Rinaldo Fabris explicou que isso “indica que Paulo foi encaminhado para uma antiga tradição de Antioquia”. Segundo a tradição, aqueles que viram  Jesus ressuscitado estavam com Simão Pedro (1 Coríntios 15:05, Lucas 24:34), Tiago, o “irmão do Senhor” (1 Coríntios 15:07) e Maria Madalena (Mt 28:9-10 , Jo 20,14-18), dois discípulos a caminho de Emaús (Lc 24,15-31), os onze apóstolos (1 Coríntios 15:05; Mt 28:16-20, Lc 24,36-51; Jo 20:19-29; 21,1-23, Atos 1,3-11), um número considerável de apóstolos (1 Coríntios 15:07) e uma vez para mais de quinhentos discípulos “, a maioria dos quais ainda vive , enquanto outros morreram “. Este último detalhe é importante, como em São Paulo parece chamar testemunhas, por causa da ressurreição, então viva que poderia facilmente confirmar ou negar suas palavras.

Jesus Ressuscitado não fez aparições públicas em geral a Pôncio Pilatos, Caifás ou as pessoas que ordenou a sua execução. Como Lucas e Pedro admitiram abertamente, Jesus apareceu “não a todo o povo, mas às testemunhas escolhidas por Deus, a nós” (At 10,39-40). Assim, a evidência para a ressurreição de Jesus no Novo Testamento eram todos membros do movimento cristão, nem observadores neutros ou adversários. A posição frágil para os críticos da autenticidade das aparições, bem como alguns não crentes como São Tiago, um parente de Jesus, Tomé ou Paulo encontraram Jesus ressuscitado.

As aparições acontecem em circunstâncias normais, não em momentos de êxtase, mesmo em sonhos, e sem essas características de glória apocalípticas encontrados em outros lugares (Mc 9,2-8, Mt 28,3). Para Fabris: “As aparências são inesperadas, não são desejadas. Elas não são o resultado da elaboração do luto, ou uma visão, mas uma intervenção real a partir de fora. Também diferem das aparições de Deus no Antigo Testamento, o Deus inefável, indizível, invisível de Abraão, Isaías ou Jeremias “. E não poderia haver alucinações coletivas, caso contrário, seria impossível explicar o que aconteceu a Paulo no caminho de Damasco, alguns anos após o aparecimento de Pedro, o que provavelmente aconteceu na Galileia.

3. Apesar das várias discrepâncias nas narrativas da Páscoa, os quatro Evangelhos concordam em mostrar os elementos essenciais, apresentando um quadro histórico muito coerente o tempo todo.
 
Os críticos tentaram remover as narrativas aparentes, enfatizando as diferenças significativas encontradas nos quatro Evangelhos. Essas diferenças, que, porém, são elementos secundários da história e explicou como o resultado de diferentes tradições, no entanto convergem em elementos fundamentais: as aparências para os indivíduos e grupos, incluindo os apóstolos. No Evangelho de Marcos, o mais velho, perto do túmulo vazio, as mulheres veem uma mulher envolta em um manto branco: no Evangelho de Lucas são dois jovens em vestes deslumbrantes. No Evangelho de Mateus é um anjo. E no Evangelho de João, Maria Madalena vê dois anjos. No entanto, os quatro Evangelhos mantem o componente angelical. Os exegetas concordam que “jovem” é realmente um anjo. Assim, os “dois homens em roupas deslumbrantes” de Lucas são seres angelicais. Os dois anjos do Evangelho de João não anunciam a ressurreição de Jesus, mas se comportam mais como guardas de honra de Maria Madalena que educadamente perguntam o motivo de seu choro (Jo 20:13).
 
Da mesma forma, a notícia segundo a qual Pilatos respondeu aos chefes dos sacerdotes e aos fariseus e comprometidos com a segurança do templo que guardava o túmulo de Jesus, não seria uma história com uma tentativa de desculpas para dissipar o boato de que a ressurreição foi o resultado de roubo do corpo de Jesus por seus discípulos. Mateus se refere, na verdade, que as autoridades judaicas espalharam a “versão” que o túmulo estava vazio porque os discípulos tinham roubado o corpo (Mateus 28,11-15) para proclamar a ressurreição, a contrainformação repetida no segundo século, que se opõe Justino em seu Diálogo com Trifão, e é retomado no século XVIII por Reimarus.

Em sua obra “Dizem que ressuscitou”, o famoso jornalista italiano Vittorio Messori diz: “É tudo muito lógico, muito consistente por toda parte, incluindo o fato de que o Crucificado é definido pelos membros do Sinédrio, como impostor e sues discípulos também o são. Os substantivos nos Evangelhos são usados ​​aqui e em Mateus, o verbo derivado aparece duas vezes em João (7,12 e 7,47). E suficiente. Mas também no Quarto Evangelho, como no primeiro, o termo ofensivo (significa “engano’) é colocado na boca das autoridades judaicas e dos fariseus para difamar Jesus. Paulo também o usa o termo que em três ocasiões usando essa palavra e seus derivados sempre faz para defender uma acusação contra os cristãos do judaísmo, como em 2 Coríntios 6.8: “pode ser considerado como impostores (Planoi ), quando na verdade somos sinceros. E é curioso notar que, ao longo dos séculos, até quase o nosso tempo, a polêmica judaica contra os cristãos [‘Galileu’] serviu principalmente a acusação de impostura, e acusou o rabino Jesus de ser um impostor.

Assim, parece que precisamente aqui, nas palavras atribuídas a “príncipes dos sacerdotes e os fariseus ‘Mateus esconde um sinal de credibilidade necessária: são judeus que falam sobre esse suposto Cristo, precisamente como os judeus eram os líderes sobre o assunto e, como sempre, sobre ele. “A menção dos fariseus com os sumos sacerdotes é uma questão importante. Como evidenciado também os Atos dos Apóstolos (23,6-8): os saduceus – o grupo que controlava o Sinédrio pertencia ambos Anás e Caifás, – não acreditavam na ressurreição dos mortos, enquanto os próprios fariseus, assim, a presença deste último na delegação que foi onde Pilatos é credível. A intenção do relato de Mateus não é ajustar os fatos, na verdade coloca a intervenção das autoridades judaicas, um dia depois de sair da sepultura para um dia sem guardião.

Portanto, o episódio serve para apagar qualquer dúvida sobre o desaparecimento do corpo por causa da primeira noite, quando o túmulo foi vigiado. Fabris explica que “a tradição cristã do túmulo vazio nunca foi negado no mundo judaico. Ele simplesmente dá uma explicação diferente. E esta versão que existia no meio judeu é testemunhado mais tarde, no século V “.

4. Somente a experiência pessoal de um Jesus vivo pode motivar a mudança radical e inesperada dos discípulos que perderam derrotados, humilhados, tornaram-se anunciadores incansáveis ​​de sua ressurreição.
 
O medo das mulheres ao descobrir o túmulo vazio, a primeira pergunta de Maria Madalena, que acredita que o corpo foi roubado – “Levaram o Senhor e não sei onde o puseram” (Jo 20,2) -, o episódio da visita de Pedro ao túmulo, voltando para casa “cheio de maravilhas”, mas ainda acreditando na ressurreição, a incredulidade de Tomé satisfeito pelo próprio Jesus. Estas incertezas, que nos Evangelhos não são silenciosas, confirmando que as primeiras testemunhas não estavam fazendo uma crença religiosa, mas uma rendição à realidade. Apenas um acontecimento imprevisto e imprevisível, depois do fracasso do Calvário poderia superar as objeções do pequeno grupo de judeus antes humilhados, assustados, derrotado e tornando-os testemunha incansável de um anúncio sem precedentes. A execução de Jesus aos olhos de todos significaria o fim de toda a esperança na vinda de um Salvador. Sendo crucificado significava não só sofrer a forma mais cruel e humilhante da pena, mas também para morrer sob o peso de uma maldição religiosa (Gl 3:13). Crucificação era vista como a execução de um criminoso que morre longe da misericórdia de Deus. A noção do Messias derrotado, sofrimento, morte e ressurreição do túmulo eram estranho no judaísmo pré-cristão, e em muitos movimentos messiânicos autoproclamados ou no século anterior e no seguinte ao nascimento de Jesus em geral terminou com a morte violenta do fundador.
 
Da mesma forma, os relatos do Novo Testamento mostram que os discípulos fugiram (Marcos 14:50) e consideravam a causa perdida de Jesus (Lucas 24:19-21). A vergonha da crucificação de Jesus foi um choque tão forte que exige mais do que a reflexão espiritual comum destinada a superar o escândalo da cruz e traz para os discípulos a descobrir o significado do que tinha acontecido. Quando Jesus apareceu, eles a princípio hesitaram em aceitar a verdade (Mt 28:17, Lc 24:36-43, Jo 20:24-29). E Saulo, o perseguidor dos cristãos em Jerusalém, depois da experiência da revelação no caminho de Damasco mudou radicalmente sua visão religiosa e proclama o Evangelho aos gentios, Pedro, que havia negado Jesus, torna-se a testemunha oficial da ressurreição empurra na fé pascal os onze e “outros que estavam com eles” (Lc 24:33). Assim, só a verdade incontestável e firme de um fato poderia motivar um fato aceito em todo o cenário de alguém que, na presença de todos, ele tinha sido espancado, humilhado até a morte na cruz. Somente a experiência real do encontro com Jesus ressuscitado, e não um fantasma ou o produto da fantasia de uma comunidade de visionários, poderiam superar o trauma de terem visto um o corpo dilacerado.

5. A ideia de um Messias ressuscitado dos mortos era uma ideia ultrajante e impensável no contexto judaico aos discípulos de Jesus e não poderia derivar dos mitos de morte e renascimento dos deuses e heróis da cultura greco-romana.
 
A idéia de um Jesus ressuscitado dos mortos não tem continuidade com o que já sabia o povo hebreu de Deus. Foi um escândalo. A esperança da ressurreição do corpo no fim do tempo que vem em dois textos apocalípticos são geralmente datado no século II aC (Is 26,19; Dan 12:2-3). Um livro deuterocanônico do Antigo Testamento, escrito em grego pela Igreja Católica aceito entre os livros sagrados, mas não a religião hebraica compreende uma esperança de uma nova vida através da ressurreição (2 Macabeus 7:9-14, 12 , 44). Além disso, muitos apócrifos funcionam como testemunho desta esperança na ressurreição (Testamentos dos Doze Patriarcas,…). Na melhor das hipóteses, os hebreus acreditavam na ressurreição dos mortos, o destino de todo o povo de Deus, talvez, de todos os homens, mas não na ressurreição atual de uma pessoa.
 
Os próprios apóstolos como judeus devotos, eles acreditavam que a ressurreição de todos viria no fim dos tempos. E, acima de tudo, nenhum hebreu tinha antecipado a ressurreição de um Messias crucificado. Paulo perseguia os cristãos, porque estes hebreus tinham comprometido o monoteísmo hebraico adorando Jesus como o Senhor.

O estudioso bíblico Don de Bruno Maggioni disse “que a intenção dos evangelistas sem apologética claramente manifesta a ideia totalmente revolucionária de Deus revelado em Jesus Cristo, completamente diferente do que eles imaginavam antes: não um imperador no trono, não onipotente, não truinfante. “Para Don Rinaldo Fabris: “Entre o final do primeiro século e início do II, encontramos um movimento que é claramente distinto e separado do judaísmo com base em um pensamento inconcebível, e que não pode ser explicado sem verdadeira experiência direta que Jesus não era apenas um profeta, um mártir, um Messias, um político, um reformador. A experiência total consegue minar a mentalidade dominante “.

Em busca de razões para esta ruptura abrupta produzida pela comunidade cristã, alguns tentaram ler o Novo Testamento à luz das religiões greco-romanas e orientais chegando até a  formular a teoria, segundo a qual Paulo e os autores do Evangelhos desenvolveram o conceito de figura de culto de Jesus entendido como análogo às religiões de mistério helenísticas. A Jesus teria sido aplicado o mito do herói, como fez no segundo século o filósofo pagão Celso no livro A verdadeira doutrina – ou um deus que morreu e ressuscitou, como acontece com Isis e Osíris, no Egito, Adonis e Astarte, e, em seguida, Átis e Cibele, na Ásia Menor. A fé na ressurreição, no entanto, surge em Jerusalém, no coração do judaísmo, que rejeita os mitos idólatras. A fé em Jesus ressuscitado lá ocorre só após a sua morte, por isso, exclui qualquer possibilidade de influência de tais mitos. E, além disso, é difícil para os cristãos do primeiro século que aderiram à nova fé profunda e tinham um fundo cultural judaico, terem sido capazes de assumir um esquema de tipo mitológico Greco-romano.

6. A ressurreição de Jesus não é, no entanto, um fato “científico” incontestável: acreditar nisso, em última análise, um ato de fé.

A questão da fé na ressurreição de Jesus não pode ser resolvida por mera prova histórica.

Aceitar a verdade da ressurreição e crer em Cristo ressuscitado é muito mais que um simples raciocínio com base em anúncios e fatos no passado para aqueles que aderem intelectualmente. Deus entra no mundo de modo inesperado, chocante e paradoxal. Como o Cardeal Gianfranco Ravasi escreveu na introdução de “Inchiesta sulla Resurrezione” por Andrea Tornielli, pesquisando nos Evangelhos sobre a ressurreição de Cristo “, que atua quase como em um fio de corte ao longo do qual você deve mover seus pés com muito cuidado, com o constante risco de escorregar para o lado escuro da história, onde ele tem apenas o que é validamente provado ou lançar-se em declive deslumbrante da luz pascal, a glória e a experiência de fé “.

O risco, como diria Pascal, é cair nos “dois excessos:. Excluir a razão, ou não admitir nada além da razão” Don Giuseppe Ghiberti, teólogo e estudioso da Bíblia, que, durante anos, lida com o Sudário, disse: “Na ressurreição não há nenhuma experiência externa direta. Tudo indica que esta experiência não foi possível, mas a primeira evidência apareceu depois que ela soube do fato. As consequências, no entanto, são historicamente qualificadas: aquele que estava morto, e que era impossível para ele se relacionar interpessoalmente com a mediação do corpo, depois de um tempo novo dado um bom relacionamento humano com a dimensão corporal, com muitos parceiros, em muitas circunstâncias. A interpretação deste factício é oferecido por meio da fé. “

Traduzido por Tiago Rodrigo da Silva – Aposotolado Spiritus Paraclitus, do original em Espanhol “La resurrección de Cristo fue un hecho histórico?” da web site aleteia.org/es

Check Also

001

Por que Deus permite que haja heresias na Igreja?

   Porém, alguém dirá: por que Deus permite que, com tanta frequência, pessoas insignes da …