Porque o Domingo é o dia do Senhor?

81

Porque o Domingo é o dia do Senhor?

Uma das maiores críticas contra a Igreja de Cristo, é a de que nós teríamos passado por cima das leis de Deus fazendo com que o sábado não fosse mais visto como o dia do Senhor, ou seja, teríamos banido a lei do sábado nos colocando no lugar de Deus, sendo assim, passamos a ideia ao mundo de que o domingo agora seria um novo dia determinado por Deus, fazendo com que muitos caiam no erro. É em meio a tantas perguntas e duvidas nas quais somos submetidos a responder e muitas das vezes não conseguimos encontrar a resposta correta, é que eu venho através deste estudo sanar uma das maiores interrogações que circulam na cabeça de muitos católicos, que é o porquê não guardamos mais o sábado como sendo o dia do Senhor e sim o Domingo. Destacarei neste estudo desde a origem dos nomes dos dias da semana como a origem do nosso calendário atual.

Qual a origem da palavra Domingo?

Qualquer palavra existente no mundo tem um significado etimológico, então devemos buscar entender qual a origem da palavra Domingo e qual o seu real significado.

– A palavra Domingo vem do Latim, “dies Dominicus”, que quer dizer Dia do Senhor.

A quem diga que essa tradução é errônea, porém qualquer um que estude um pouco de história e entenda o básico de latim, é capaz de saber que desde o início da existência dessa palavra, esse foi o seu real significado. Para melhorar essa definição sobre o significado domingo, quero dá um susto em você que diz que é protestante e afirma não seguir aquilo que a Igreja Católica ensina, pois poucos sabem, mais o calendário que seguimos atualmente não é o mesmo que os Judeus seguem. Nós seguimos o calendário gregoriano promulgado pelo Papa Gregório XIII. Se você não conhece esse marco histórico, continuem lendo e se surpreenda com essa belíssima história.

Qual a origem do nosso calendário atual?

Em meados do século XVI, o Papa Gregório XIII, mandou construir uma espécie de calendário que marcasse o sol, em Roma no Vaticano, para ver se o calendário de Júlio Cesar estava realmente correto, e o resultado foi uma cartada de mestre, a igreja tornou-se protagonista de uma das maiores descobertas do mundo, pois Júlio Cesar tinha errado, porque a Terra é quem dá voltas em torno do sol, não o contrário, assim o Papa Gregório XIII criou o calendário cristão que é o que usamos hoje. Vale ressaltar que na época em que isso ocorreu, já havia acontecido a revolta protestante, e como de costume, os protestantes protestaram contra a posição do Papa e não aceitaram o calendário cristão proposto pela Igreja, afirmando que era uma heresia. Por muitos anos eles utilizaram o calendário de Júlio Cesar, pregando que o primeiro dia do ano seria em 1° de abril e não em janeiro, como era o de Júlio Cezar. Foi por causa deste ocorrido que então o dia 1° de abril ficou conhecido como dia da mentira, por causa deles terem continuado a pregar as mentiras de Júlio Cesar. Então nem preciso dizer que esse dia é uma homenagem aos protestantes.

Por que usamos a palavra feira depois dos dias da semana sendo que isso não existia antes?

A palavra “Feira” vem de feria, que, em latim, significa “dia de descanso”, pois antigamente, todos os dias da Semana Santa, eram tidos como feriados. Foi daí que surgiu a ideia de se utilizar o termo “feira” depois de cada dia simples da semana, expressão essa que é portuguesa, que é o mesmo que feriados – férias.

Mesmo sendo feriado nos dias da Semana Santa, era comum se ver os mercados funcionar ao ar livre como se estivessem comemorando uma coisa qualquer, deixando-se influenciar pelas culturas pagãs, que usavam nomes de demônios para os dias da semana, foi então através disso que a Igreja Mãe e Mestra no seu modo de ensinar, resolveu banir os nomes pagãs dos dias da semana. Isso teria ocorrido por volta do ano 563, após um concílio na cidade portuguesa de Braga – daí a explicação para a presença do termo ser somente na língua portuguesa.

Logo se introduziu a palavra “feira” para os dias uteis da Semana Santa. O bispo Martinho de Braga, que era um forte combatente do costume de “dar nomes de demônios aos dias que Deus criou”, decidiu que os nomes dos dias da semana usados até então, em homenagem a deuses pagãos, deveriam mudar. O solis dies que seria a primeira feira, foi substituído por dominica (Domingo), dia do Senhor, e conservou o mesmo nome por ser dedicado a Deus, fazendo a contagem iniciar-se na “segunda-feira”. O saturni dies, dia de Saturno, foi modificado para sabbatum, derivado do hebraico shabbath, o dia de descanso consagrado pelo Velho Testamento. A igreja apenas deixou o nome sábado em respeito à antiga tradição hebraica.

Talvez você até agora não sabia disso, porque ou seu pastor ou está te escondendo a verdade ou não tem compromisso com ela. Como podemos ver, a Igreja Católica é a grande construtora da civilização atual, e tanto você protestante como qualquer cidadão vivente nos dias atuais, estão seguindo os ensinamentos da Igreja sem saber, pois esse calendário atual não caiu do céu todo pronto para você vir aqui dizer que a Igreja é blasfema no modo de ensinar.

Mais o que tem haver toda essa história com o sentido do domingo?

Como já explicado nos tópicos acima, a palavra domingo significa Dia do Senhor. A Igreja jamais iria mudar o dia do Senhor sem ser inspirada pelo Paraclitus. Para explicar melhor esse assunto e comprovar que a Igreja foi inspirada pelo próprio Deus para dá esse ensinamento e que tal mudança foi feita pelo próprio Cristo, iremos nos aprofundar na Tradição da Igreja.

A igreja de Deus, porém, achou conveniente transferir para o domingo a solene celebração do sábado. Assim como nesse dia começou a brilhar a luz para o mundo universo, assim também nossa vida foi retirada das trevas para a luz, em virtude da ressurreição de Nosso Salvador, realizada naquele mesmo dia, e que nos franqueou os umbrais da vida eterna. Por isso, quiseram os Apóstolos fosse ele chamado “domingo”.

Vemos também, pela Sagrada Escritura, que esse dia é memorável, pois nele teve o inicio a criação do mundo, e nele foi comunicado o Espirito Santo aos Apóstolos. ( Catecismo Romano. III Parte: Dos mandamentos [18])

Vemos acima uma definição dada ainda no concilio de Trento, uns dos concílios que os hereges mais odeiam e tem medo. A Igreja usou-se daquilo que Cristo e os Apóstolos nos ensinou, ou seja, ela apenas atestou como verdade aquilo que já era ensinado antes. Pois sendo, Senhor do sábado, Jesus, transferiu a santificação deste dia para o Domingo, o dia da sua Ressurreição e da vinda do Espírito Santo à Igreja da Nova e Eterna Aliança, como o atesta toda tradição cristã (Mc 16, 9 e At 2, 1). Jesus ressuscitou no domingo e é por sua Ressurreição que Ele inaugura a Nova Criação, a primeira fora deteriorada pelo pecado. Jesus não revogou a Lei, mas a aperfeiçoou com sabedoria!

Por tanto, o Domingo é dia da “Nova Criação”! Por isso a ressurreição do Senhor (Dominus), é para nós motivo de alegria, é motivo de anunciar que Cristo cumpriu com suas promessas, ressuscitou dos mortos para nos comprovar que é morrendo que se vive para a vida eterna, como já dizia São Francisco de Assis.

Sejamos fieis aos ensinamentos dos Apóstolos. Quem afirma que o Domingo não é o dia do Senhor, está insinuando que os apóstolos erraram em suas conclusões. Os próprios Apóstolos se reuniam no domingo, como está escrito: “No primeiro dia da semana, tendo-nos nós reunidos para a fração do pão…” (At 20,7). Estariam os Apóstolos errados ao fazer isso? Ou será que os protestantes sabem mais do que os Apóstolos?

A observância do Sábado sempre foi fidelidade à Aliança, por tanto este dia é dia de alegria e de oração. Com Jesus o Domingo passa também a ser um dia de observância e contemplação a sua ressurreição que traz Luz e Vida eterna ao mundo. Este dia fica marcado para nós como um dia de contemplação, louvor, testemunho e alegria para todos, e quem não se alegra com isso, provavelmente não sabe ainda o que é testemunhar da ressurreição de Cristo.

Testemunhos do primeiros cristãos acerca do Domingo

Temos um testemunho de São Justino(†165) vindo do primeiro século que nos diz: “No dia chamado do Sol, domingo) celebra-se uma reunião dos que moram nas cidades ou nos campos e ali se lêem, quando o tempo permite, a memória dos apóstolos ou os escritos dos profetas… Celebramos esta reunião no dia do Sol, por ser o primeiro, aquele em que Deus, transformando as trevas e a matéria, fez o mundo; o dia também em que Jesus Cristo, nosso Salvador, ressuscitou dos mortos”(Apologia I, 65-67)

Não ser fiel a essa Tradição é negar tudo aquilo que os primeiros cristãos nos deixaram, e isso sim é uma verdadeira blasfêmia contra a palavra de Deus, que modifica as Leis de Deus usurpando-as e moldando-as conforme o mundo deseja andar. Não caiam nessas armadilhas que tanto crescem nos dias atuais. Sejam perseverantes e tenham em mente que um verdadeiro cristão, se mantem informado sobre tudo aquilo que a Igreja prega.

Mensagem final:

Foi em um Domingo que Deus deu início a criação do mundo. Ele deu início a um novo projeto na humanidade, um projeto de Salvação e libertação que tantos esperavam desde sua escravidão pelas garras do faraó. É pela ressurreição de Jesus Cristo em um Domingo que surge uma nova aliança entre Deus e o homem, a promessa da vida eterna. Somos por meio disso, chamados a ser criatura nova, temos o privilégio de sermos chamados de filhos Deus Pai. E o principal , somos chamados a todos os Domingos a ressuscitar com Cristo Jesus através da Santa Missa, morrer para o mundo e viver uma vida nova em comunhão com Ele através da Eucaristia, o seu próprio Corpo que nos faz sentir-se em sintonia com o Espirito Santo, aquela mesma sintonia que em um Domingo os Apóstolos sentiram através da vinda do Paraclitus, para que estejamos sempre na esperança de chegar na vida eterna e sermos inspirados a ser verdadeiros arautos do Evangelho, anunciadores da Boa Nova. Não deixemos que a mentira seja o motivo da nossa pregação, jamais se deixe levar pelas coisas que o mundo oferece ou por aquilo que vem fácil. Que a verdade esteja sempre em nossas bocas, e tenhamos sempre em mete, que Cristo deixou apenas um Igreja no mundo, e ela se chama Católica Apostólica Roma, um Igreja Mãe e Mestra que tem o poder de ligar e desligar as cosias aqui e nos céus.

Deus os abençoe!